Seminário de Estudo e Conscientização sobre Autismo

Seminário de Estudo e Conscientização sobre Autismo

A Associação de Pais e Amigos do Autista de Blumenau e Microrregião (AMA Blumenau) através de sua representante da Diretoria Keli Cristina Wilhelm participou do Seminário de Estudo e Conscientização sobre Autismo, em Jaraguá do Sul, no Norte do estado no dia 20 de novembro de 2014.

 O evento é realizado pela Assembleia Legislativa, por meio da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira, e em parceria com Associação Catarinense de Autismo (Asca) e Associação de Pais e Amigos dos Autistas (AMA) Jaraguá do Sul. O evento contou com a participação de cerca de 350 pessoas, entre acadêmicos, profissionais das áreas de educação, saúde e assistência social, representantes de entidades sociais e pais de autistas.

Durante a abertura do seminário, o deputado Carlos Chiodini (PMDB), um dos autores da Lei 16.036/2013, que institui a Política Estadual de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, fez um relato da importância de ações voltadas à inclusão social da pessoa com espectro autista com apoio do Parlamento. Salientou que, para que as crianças que têm a síndrome tenham uma vida mais perto da normalidade, é importante e necessário informar e preparar cada vez mais a sociedade. “Isso é o que pretendemos com os seminários”, explica

Representando o presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, deputado José Nei Ascari (PSD), a assessora da comissão, professora Janice Krasniak, destacou que este é o sexto seminário sobre autismo realizado e que eles visam debater políticas públicas voltadas às pessoas com espectro autista. “Queremos ampliar a informação para que as pessoas envolvidas e inseridas nesse contexto possam com propriedade tratar deste assunto com mais atenção, especialmente o poder público. Esperamos, a partir desta ação, poder desencadear procedimentos que possam promover o diagnóstico mais cedo da deficiência, e assim avançar na inclusão dessas pessoas na sociedade”, destacou.

O seminário conta com especialistas das áreas de neurologia e pedagogia que revezam-se na condução dos debates e troca de experiências sobre diagnóstico, tratamento, educação e políticas públicas relacionadas ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). No período da manhã os palestrantes abordaram os temas “Políticas Públicas para Pessoa com Espectro Autista”(Janice Krasniak) e “Autismo – Inclusão Escolar, Social e Familiar” ( Dr. Eugênio Cunha). Pela tarde foi abordado o tema “Transtorno do Espectro do Autismo:  Desafios para o Século XXI” ( Dr. Raimundo Facion).

 A palestra do professor Dr. Antônio Eugênio Cunha teve suas falas permeando sempre a importância da Afetividade no processo ensino aprendizagem.

Numa linha de pensamento onde o Terapeutico/ Afetivo/ Social/ Pedagógico seriam um produto da outra dentro do processo. Com o cuidado que os professores e terapeutas devem ter onde não existem dois “aprendentes” iguais, para não cair nas tentações de técnicas ou fórmulas prontas. Por isso a importância em se conhecer o individuo como um ser único com limitações mas também com habilidades. Estimulando o POSITIVO sempre.

Segundo o professor : “o princípio afetivo da atividade conduz à disciplina e à socialização”. Disciplina esta que entendemos como “comportamentos adequados” que se espera dos indivíduos autistas.

Ele afirmou também que o medo deve ser banido da escola. E que a questão que tanto se discute sobre inclusão escolar e social é um ponto sem volta, e todos os professores devem se preparar e buscar conhecimento.

Destacou também a importância do professor em “descobrir a funcionalidade dos conteúdos escolares”. O aluno autista vai aprender se ele souber da importância da matéria para a sua vida, buscando sempre a autonomia. Neste momento o professor  mostrou uma série de slides exemplificando algumas atividades trabalhadas no concreto para facilitar a compreensão dos “aprendentes”.

O professor precisa saber tanto do conteúdo quanto em estreitar seu vínculo afetivo com o aluno.

Comparou o professor com um piloto de avião: “quando o avião entra em turbulência, o piloto deve manter o total controle da situação e nunca perder a calma”. Assim o professor também, por mais que seu aprendente entrar em crise de ansiedade, gritar, agredir… o professor deve também manter-se calmo e controlar a situação.

Segundo Keli foi uma palestra  emocionante, arrancando lágrimas da plateia: “Não poderia ser diferente visto que as falas foram proferidas por uma pessoa em que defende tanto a afetividade e as encerrou com a música em que ele determinou ser o “Hino do Professor” (Tocando em Frente de Almir Sater)…Ando muito devagar Porque já tive pressa…”.

A palestra do professor Dr. José Raimundo Facion iniciou suas palavras afirmando que nós todos somos seres PACIONAIS e que todas nossas escolhas durante a vida toda são regidas por essas emoções.

Muitas vezes se esperam verdadeiros milagres e não se dão conta das limitações que apresenta o indivíduo autista numa sala de aula ou em casa.

O primeiro passo é conhecer este indivíduo e traçar metas e objetivos com ele. Um passo de cada vez e com FOCO. Determinando assim um Programa Individual de Aprendizagem para cada aluno.

Para chegar a “controlar” o comportamento o único caminho é o treinamento.

O professor Facion falou também do histórico de estudos e de estudiosos em torno do assunto Autismo pelo mundo bem como abrangeu suas principais características.

Compartilhar esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *