Perfil dos nossos filhos

Pesquisa AMA Blumenau – Perfil dos Autistas

No dia 15 de agosto de 2013 foi realizada a primeira pesquisa da AMA Blumenau, com o objetivo de verificar o perfil das crianças autistas da região.

Nesta data os papais e mamães presentes identificaram 35 autistas, entre crianças e jovens, apresentando-se assim os seguintes dados:

A primeira pergunta colocada foi sobre o sexo dos autistas, e obteve-se os seguintes números do Gráfico 01 .

Pode-se observar no gráfico 01 em torno de 86% são meninos e isto confirma algumas pesquisas sobre o autismo que apontam que a cada três ou quatro autistas, apenas um é do sexo feminino.

Outro dado coletado nesta data foi em relação a idade dos autistas, obtendo-se assim os seguinte percentual no Gráfico 2.

De acordo com o gráfico 2 cerca de 46% da faixa etária é composta por autistas entre 1 a 6 anos de idade, isto corrobora com as informações dadas pela presidenta da Abraci-DF, Lucinete Andrade,ao destacar que “quanto mais cedo a doença for diagnosticada, maiores as possibilidades de estimulação”.

No gráfico 03 apresenta-se outra informação importante que é a idade do diagnóstico do autismo, obtendo-se assim, os seguintes dados do Gráfico 3.

Conforme se observa nos dados do gráfico 03 cerca de 80% obtiveram seu diagnóstico antes dos 4 anos de idade, o que torna-se um diferencial para estas crianças, pois de acordo com Andrade (2013) quando se fala de autismo, não se trata de uma só realidade. Por essa diversidade, o diagnóstico é problemático. “Às vezes, o diagnóstico fica errado e isso compromete o desenvolvimento e a estimulação dessas crianças”.

No gráfico seguinte (04) foi questionado aos pais se seus filhos estudavam, e obteve-se assim o seguinte resultado do Gráfico 4.

Os dados obtidos no gráfico 04, onde 94% dos autistas estudam, refletem uma realidade diferente das condições gerais do Brasil, onde segundo o presidente da Associação Brasileira para Ação por Direitos das Pessoas com Autismo (Abraça), Alexandre Mapurunga, os estudos científicos mundiais mostram que 1% da população é autista. Contudo, esse segmento da sociedade enfrenta, muitas vezes, barreiras como discriminação na escola regular e dificuldades para receber atendimento em unidades de saúde. Mas a recusa na matrícula, explicou ele, em virtude da deficiência pode ser punida com prisão e multa, conforme estipula a Lei 7853/89.

O gráfico 05 apresenta qual é o tipo de escola que os autistas freqüentam, obtendo-se assim, os seguintes dados do Gráfico 06.

Percebe-se no gráfico 05 que 49% dos autistas identificados nesta pesquisa estudam em escolas particulares, neste ponto é importante salientar que no geral, na maioria das instituições de ensino existe uma carência de recursos humanos e materiais para que os educadores possam desenvolver uma intervenção pedagógica consistente, bem como assistência e orientação aos familiares, já tão sofridos do ponto de vista afetivo, social e financeiro.

Para o gráfico seguinte (06) o que foi perguntado era sobre terapias, se os mesmos freqüentavam, ou não, obtendo-se assim, os seguintes dados:

Os dados do gráfico 06 apontam que 73% dos autistas fazem alguma terapia, o que favorece o desenvolvimento e aprendizado destes portadores do espectro autista.

Para o gráfico 07 a questão apresentada era se os autistas eram atendidos por um especialista, obtendo-se assim, as seguintes respostas no Gráfico 07.

De acordo com o gráfico 07 apenas 6% responderam que não tem um médico especialista no atendimento de seus filhos. Neste sentido, é importante destacar que profissionais como pedagogos, psicólogos, entre outros, são direito dos portadores de alguma deficiência, o direito à saúde está previsto no art. 196 da Constituição Federal, sendo direito de todos e dever do Estado. As pessoas com autismo contam também com a proteção especial da Lei Federal 7.853/89, que garante o tratamento adequado em estabelecimentos de saúde públicos e privados específicos para a patologia que possuem.

Para o gráfico 08 a questão apresentada era sobre o tipo de atendimento, obtendo-se assim, as seguintes respostas do Gráfico 08 .

No gráfico 08 fica evidente que 67% dos autistas desta pesquisa utilizam-se de tratamento particular, desta forma, é importante destacar que além do desgaste emocional sofrido pelas famílias, tem-se o alto custo do tratamento para os autistas.

Considerações:

Esta pesquisa serviu como uma base para futuras pesquisas, más principalmente a partir desta, pode-se direcionar esforços para o bem das crianças, jovens e adultos que sofrem do autismo.

Deste modo, tanto os autistas, como suas respectivas famílias, possam receber os direitos que lhe são cabíveis e principalmente o respeito e a dignidade que por hora às vezes lhes falta.

Participe, colaborem com a AMA Blumenau, todos juntos em prol de uma unica causa, nossos filhos.

Ama Blumenau e Micro Região.

Bibliografia de apoio:

http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/35288/saude-publica/diagnostico-precoce-e-uma-das-melhores-armas-contra-o-autismo

http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1249026

http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/repositorio/34/figuras/DireitosPessoasAutismo_Leitura.pdf

Compartilhar esta postagem